Lideranças temem invasões na Terra Tanaru pela falta da demarcação do território

"Não se pode deixar que os fazendeiros e latifundiários ocupem essa área", diz uma das lideranças

Índio do Buraco era um dos últimos isolados de Rondônia (Metrópoles

O corpo do último Tanaru, encontrado morto por uma equipe da Fundação Nacional do Índio (Funai), foi enviado no domingo (28) de Porto Velho para Brasília para uma perícia mais minuciosa do de legistas do Instituto Nacional de Criminalística (INC) da Polícia Federal. Mas com a morte do último índio do povo Tanaru, fica uma pergunta: quem irá cuidar do território dele para impedir invasões?  

André Karipuna, cacique do povo Karipuna em Porto Velho, capital de Rondônia, disse que mesmo não pertencendo à mesma etnia do “índio do buraco”, a sensação é de perda. “É muito triste. É meu povo também. É um parente nosso que se foi e deveria ter tido mais proteção. Mas infelizmente, todos nós sofremos muitas pressões”, declarou.

Outra liderança, Adriano Karipuna, ativista indígena ambiental, atribui ao presidente Jair Bolsonaro o encolhimento e extinção dos povos indígenas. “O atual presidente cumpriu com todas as ameaças de campanha e sucateou os órgãos ambientais administrativamente e financeiramente. Propositalmente. Nossos territórios ficaram desprotegidos”, afirmou.

O ativista ambiental considera que se o povo Tanaru tivesse tido a proteção do Estado não teria desaparecido. Adriano informa que, assim como o índio do buraco, seu povo também já esteve na iminência de ser extinto. Meio século atrás havia só cinco Karipunas em Porto Velho.

“Meu povo é um povo de resistência, quase fomos extintos na década de 1970 por causa de sarampo, coqueluche, catapora. Meus parentes também foram mortos, assassinados em 1912 em nome da economia, do desenvolvimento (Construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré – EFMM). O Estado brasileiro deve muito para a população indígena”, cobrou Adriano Karipuna.

Segundo ele, a nação Karipuna conseguiu se manter viva em Rondônia, graças a medidas como o distanciamento social da civilização. Destino diferente do povo Tanaru.  Com a morte do último habitante da TI Tanaru, lideranças dos povos indígenas de Rondônia manifestam preocupação com o destino da área que o “índio do buraco” habitava.

Almir Narayamoga Suruí, liderança da TI Sete de Setembro, em Cacoal, Rondônia, é reconhecido internacionalmente por lutar contra as ameaças envolvendo posseiros, madeireiros, mineradores e outros interessados nas terras dos Suruís. Ele afirma que teme a invasão da TI Tanaru e pensa que a área deve ser transformada em um memorial de resistência dos povos indígenas. “Seria muito importante para os indígenas e para o Brasil também, reconhecer toda a resistência dos povos indígenas à frente dos desafios e problemas que são enfrentados. Vamos lutar para isso.”

Suruí também reforça que é preciso defender os povos indígenas isolados que ainda vivem no Estado. “Temos que proteger e preservar as regiões onde eles estão habitando, definindo esses territórios para eles. É isso que temos que fazer, para isso (extinção de um povo indígena) não acontecer mais uma vez no Brasil.

Adriano Karipuna idealiza um futuro diferente para a Terra Tanaru. “Muitos povos indígenas estão em busca da retomada de seus territórios. Cabe a eles decidir se querem ir para essa terra”, disse.

Escritora e educadora, Márcia Mura, do povo Mura, disse que se encheu de tristeza com a morte do indígena isolado e sentiu um pesar muito grande. “Fiquei imaginando a solidão e a dor que ele deve ter sentido esse tempo todo, fugindo, se escondendo, sabendo que poderia morrer a qualquer momento por invasores, por latifundiários, por assassinos. Saber que era o último de seu povo, é extremamente terrível isso”.

Márcia também argumenta que a TI Tanaru deve ser preservada. “Acredito que esse território, onde ele defendeu até o último dia de sua vida, tem que se manter como território indígena. Tem que garantir esse território para os povos indígenas. Não se pode deixar que os fazendeiros e latifundiários ocupem essa área”. (Amazônia Real)

LEIA MAIS:

Corpo do "índio do buraco" será sepultado na terra onde sempre viveu no sul de Rondônia

Símbolo da resistência dos indígenas isolados no país, “índio do buraco’ é achado morto



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato