Violência sexual: nove entre dez relatos em blogs são feitos de forma anônima

Pesquisa analisou depoimentos de mulheres vítimas de violência sexual em 33 postagens realizadas em blogs brasileiros

Blogs servem como ferramenta de empoderamento e autoafirmação das vítimas (Thomas Lefebvre / Unsplash)

Estudo publicado na revista “Information Technology & People” nesta terça (4) indica que blogs oferecem um espaço seguro para vítimas de violência sexual expressarem seus traumas e iniciarem seu processo de reconstrução da própria integridade. Nove entre dez vítimas que relatam seus traumas nestas plataformas o fazem de forma anônima, mantendo sua identidade sob sigilo.

Pesquisadores da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP), da Universidade Federal de Rondônia e da Arizona State University analisaram 33 postagens em blogs com relatos de vítimas sobre atos de violência sexual cometidos por parceiros. A coleta de dados ocorreu em 2018 e 2019, por meio do Google, e recuperou inicialmente 347 postagens. A análise considerou somente textos escritos em primeira pessoa e publicados na blogosfera brasileira.

A falta de acolhimento à vítima de violência sexual nas delegacias e a dificuldade de abandonar a relação com o parceiro por conta da dependência financeira são alguns dos temas presentes nos relatos dos blogs. Segundo a análise, eles têm relação com a cultura do estupro, em que as mulheres são subjugadas e culpadas pela violência que sofrem mesmo em instâncias de proteção do Estado. 

Outra dimensão apontada pela análise é a tecnológica, que indica a publicação em blogs como um caminho de autoafirmação e empoderamento de mulheres vítimas de abusos que decidem contar a própria história. Os pesquisadores ressaltam que em apenas três dos 33 depoimentos as vítimas se identificam. “O anonimato nos blogs fornece um espaço virtual seguro para as vítimas, que se contrapõe ao ambiente inseguro gerado pela violência sexual.. Ali elas conseguem se revelar, expressar suas dúvidas, seu sofrimento e sua necessidade de escapar da vitimização”, explica Eduardo Diniz, pesquisador da FGV EAESP e um dos autores do estudo.

Diniz aponta, ainda, que os blogs podem ajudar essas vítimas a reconstruir sua integridade, rompida pelos traumas e agressões. “Além de expressar um aumento no bem-estar psicológico, as blogueiras experimentam, também, uma profunda sensação de empoderamento”, completa o pesquisador. (Agência Bori)

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato